Holanda

20/6

O percurso entre Nieuweschans, a 4 km da fronteira com a Alemanha e Ternaard, revelou-se mais dificil do que o previsto. É que a normalização de regras, apesar da União Europeia, ainda tem muito que andar!! Principalmente no que ao Código da Estrada diz respeito! Por aqui, muitas das estradas nacionais são interditas ao uso de bicicleta, motorizadas e tractores agrícolas. Com a curiosidade adicional de muitas das auto estradas terem ciclovias “acopladas”, ao longo do seu percurso! Assim sendo, não tardou uma boa dúzia de kilometros para “dar com os burrinhos na água”…eheheh 🙂

E claro, alterações de percurso em cima da hora dão complicações adicionais. Para começar, o GPS deixa de ser eficaz. E, depois, claro, o percurso por estradas secundárias é sempre mais sinuoso, moroso e comprido, e torna-se necessário parar muito mais vezes para refazer a orientação. Felizmente não choveu, e, o vento soprou apenas qb para refrescar, sem prejudicar o esforço significativamente!!!

No percurso encontrei diversos ciclistas, e, claro, estamos na Holanda, canais e mais canais! Destaco uma jovem “dona de casa”, nos seu trintas, a quem pedi algumas dicas sobre o caminho. Simpaticíssima, e amante do ciclismo tanto ou mais do que eu, desde logo a preocupava imenso como é que eu iria atravessar a cidade de Groeningen, uma das maiores da Holanda, apenas com os mapas globais do país que trazia… Entre sugestões diversas de caminhos alternativos, acabámos ambos por concordar que, no ponto em que nos encontrávamos, e face ao destino previsto, essa era de facto a melhor opção. Assim, despedimo-nos, não sem antes me transmitir ma recomendação adicional para sair do percurso num determinado ponto, virar à esquerda passar por baixo da A9, atravessar uma ponte sobre um canal, seguir em frente até às localidade vizinha e virar à direita, e procurar uma dada loja, onde encontraria um mapa melhor, (incluindo identificação das ciclovias, e uma descrição mais detalhada das cidades a percorrer).

Cumprida a missão, dei com o local, mas não com a loja, claro, mas com alguma ajuda adicional dos locais, cheguei a uma livraria onde o proprietário me vendeu o mapa em causa. Ou melhor, o mais aproximado que tinha!

Regressado ao percurso de destino, encontro, agora no mesmo sentido a mesmíssima senhora a quem, ufano, cumprimento e mostro o mapa que levava sobre o saco de apoio em frente ao guiador. Quis ver o mapa, não era bem aquilo, se eu podia acompanhá-la a casa dela que era ali perto, que me mostrava o mapa em questão. Neste ponto, escusam de imaginar histórias rocambolescas, pois tratou-se de solidariedade ciclistica pura! 🙂

Lá fomos, vi o mapa de pormenor de Groeningen, e estudamos o percurso a fazer, e a senhora passou para um papel os nomes das ruas e pontos estratégicos do percurso para eu seguir. Tudo bem até que, já dentro da cidade me surge uma dúvida, e, deparei com um grupo de holandeses, que mais malandrões (percebi as risadas, mas não o conteúdo da conversa entre eles), me mandaram para um percurso diferente… Não tardou que eu desse pelo engano, que de imediato confirmei com outro natural da terra.

Nos semáforos seguintes, 10 ou 12 ciclistas parados, interpelei o que se encontrava ao meu lado. Ia com uma companheira para o mesmo destino intercalar, a terra que eu devia identificar como de referência para a saída, mas de comboio. Como ficava em caminho, fomos juntos até à estação, onde lhes tirei uma foto, e depois cada um seguiu o seu caminho, e sem maiores problemas acabei por retomar o percurso que tinha definido e rumei a Ternaard.

Um dique enorme e algumas imagens bucólicas de paisagem rural e urbana que ficam na memória, porque, com estas complicações tive de reduzir as paragens, com prejuizo para o registo fotográfico do passeio!! Mas enfim, com mais ou menos dificuldade, chegado ao destino, há que repousar para o dia seguinte!!:D

21/6

Com dois dias de “folga” face ao plano estabelecido, resolvi parar, aproveitar o bom tempo e reparar as pernas e a máquina!

8h da manhã – tardíssimo!!!! – alvorada, lavagem de roupa e revisão de percursos para os dias seguintes (tentar minimizar alterações inesperadas de trajecto).

Tive ainda tempo para trabalhar um pouco alguns assuntos municipais, repor stocks de energia, de alimentos para transportar (frutas, bolchas e sumo) e de produtos de higiene (que passado um mês já estavam a acabar)!!

Apercebi-me ainda que, desde Oslo, pedalei sem qualquer intervalo durante doze dias, com uma média superior a 100 km por dia…e dei conta que já percorri mais de metade do percurso, cerca de 2400 km, medidos no guia michelin, mas que correspondem a cerca de 3000 km realmente feitos!

Está quase a acabar!!! Hehehe! 🙂

Vamos ver como corre o resto…

Amanhã, alvorada cedo, que o percurso é longo (inclui a travessia de um dique com cerca de 30 km…), mas não espero grandes surpresas no que toca a dificuldades de percurso. Destino, Westerland, ainda no Norte da Holanda!

Seguem algumas fotos!

Este slideshow necessita de JavaScript.

Abraço,

João

Anúncios
Esta entrada foi publicada em A caminho. ligação permanente.

13 respostas a Holanda

  1. António Batista diz:

    Olá amigo João.
    A brincar, a brincar a coisa vai. O pior já passou e qualquer dia já aí tens o companheiro Jorge.
    Que tudo continue a correr bem.
    Um abraço.
    ABatista

  2. Joaquim diz:

    Oih João.
    Quase a acabar…é como quem diz. Para mim, isso era uma lonjura infinita. Mas foi preciso chegares à Holanda e a essa holandesa que te meteu em casa dela para eu dar com o blogue. Venho a tempo, ao menos, de ter ver no pelotão do Tour de France. Por esse andar chegas tu primeiro a Paris…
    Um abraço. Boa viagem. Boas histórias e boas fotos. Um abraço ao Jorge.

    Joaquim Antunes

  3. Dulce Gabriel diz:

    Ahahah!
    Confesso que dei comigo a ouvir uma estridente gargalhada….no momento da solidariedade entre duas rodas 😉
    Folgo em saber que tudo continua a correr bem:)
    Bom resto de aventura e força para o caminho
    Dulce

  4. Parabéns pela conclusão da 1.ª metade da travessia. Continuação de boa viagem.

  5. jp diz:

    João, estamos a torcer por ti, continua em força um grande abraço e boas pedaladas.
    Está quase, ainda não falta esfolar o rabo, mas não falta tudo.
    jp

  6. Jorge Águia de Moura diz:

    Caro João,
    Só hoje soube pelo Miguel que tinhas este Blog para que possamos todos acompanhar a tua
    viagem épica. És um amigo da onça, bem podias ter deixado a dica….
    Confesso-te que estou “marabilhado” com a tua coragem, determinação e fulgor, pois para além de não ser fácil a estopada diária que tens pela frente, ainda consegues ter boa disposição e inspiração para nos relatares diariamente o teu dia.
    A partir de hoje, prometo que vou passar a ser teu seguidor diário.
    Um abraço deste que tanto de quer!
    Xau

  7. Graça Esgalhado diz:

    João, já sentia saudades dos relatos diários que nos permitem acompanhar-te e imaginar o que andas a descobrir .Já lá vão 3000! Uma imensidade de pedaladas, de paisagens, de força e coragem. Boa travessia do dique. Vale a pena! Bjos.
    Graça

  8. Cláudia Saraiva diz:

    Hehe.. Também eu dei uma valente gargalhada quando li sobre a solidariedade ciclistíca da senhora holandesa… Mas o estilo de escrever é muito bom e alegre.
    Parabéns pela 1ª metade da etapa concluída! Boa sorte para a continuação da pedalada…

  9. Tiago Esgalhado diz:

    Da Holanda a Portugal é um saltinho… como diz uma famosa empresa de telecomunicações, até já…

    Um abraço

  10. Paulo Lopes diz:

    Oh João! Eu acho que já tens material para um livro a publicar.
    Um abraço

    Paulo Lopes

  11. Paula Rocha diz:

    Olá João … e Rita 🙂
    Como sempre gostei de ler as aventuras por que vais passando e principalmente de ver as lindissimas imagens com que nos tens premiado. Pelo que vi, parece-me que realmente andas bem e satisfeito, apesar de magrito … vê lá se não chegas pele e osso …
    Continuação de bom percurso e que mantenhas esse espirito sempre em alta.
    Besazos!!
    Ah!! Esquecia-me de te dizer que o teu grelhador, funciona que nem gingas … 🙂

  12. José Duarte diz:

    Metade do percurso já está!
    Agora há que manter essa força e determinação!
    Continuação de boas pedaladas…
    Um abraço

    José Duarte

  13. Maria Helena diz:

    Olá padrinho,
    Parabéns pela coragem desta tua iniciativa tão original, e, sobretudo porque a mesma tem por objectivo angariar fundos para causas tão necessitadas.
    Adoro ler as tuas descrições das muitas e tão diversificadas etapas ( até parece que está a ser muito fácil para ti). Acho que,(parece-me inevitável) esta aventura tem de ser registada num livro.
    E…., quando chegares a Portugal, onde, como e quando pensas focalizar essa tua capacidade ( que parece infinita) de realizar grandes feitos? ahahahhh…….
    Vê se a pedalar dessa maneira consegues apanhar a minha ideia……

    Muitos Beijinhos,

    Maria Helena

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s